25.3.15

Como Escolher os Horários para Tomar os Medicamentos






Algumas pessoas se perdem quando o assunto é Tomar o Medicamento na Hora Certa.

O Farmacêutico tem especial importância quando orienta o paciente como tomar equando tomar os medicamentos prescritos pelos médicos. Ajuda o paciente a melhorar de sua enfermidade quando consegue sucesso na adesão ao tratamento.

Para que o paciente tome seus medicamentos de forma correta montamos umas tabelas com algumas Sugestões de Horários para tomar os medicamentos. Nestas sugestões priorizamos o período do dia que, na maioria das vezes, a pessoa estará acordada facilitando a administração do medicamento.

Os horários para tomar o medicamento dependem da forma de absorção e metabolização do principio ativo de cada medicamento. Baseia-se no tempo que o medicamento permanece circulando no sangue, ou no melhor momento do dia para sua ação, que se determina a frequência que deve ser tomado.

Evite ter que acordar de madrugada para tomar medicamentos. Uma boa noite de sono é muito importante!
Como escolher Horários para tomar os Medicamentos
Medicamentos de 12 em 12 horas

3 Sugestões:






7:00 h e
19:00 h


8:00 h e
20:00 h


9:00 h e
21:00 h


Medicamentos de 08 em 08 horas

2 Sugestões:







6:00h ,
14:00h e
22:00h


7:00h ,
15:00h e
23:00h


Medicamentos de 06 em 06 horas

Sugestão:








6:00h Manhã ,
12:00h Meio-Dia ,
18:00h Tarde e
24:00h Meia-Noite



Você terá que acordar para tomar o seu medicamento inevitavelmente » Use o seu despertador.
Medicamentos de 04 em 04 horas

Sugestão:










6:00h ,
10:00h ,
14:00h ,
18:00h ,
22:00h e
2:00h


Você terá que acordar para tomar o seu medicamento inevitavelmente » Use o seu despertador.
Orientações Importantes:

♦ Alguns medicamentos devem ser tomados em jejum para que sejam melhor absorvidos e façam efeito.

♦ Se o fármaco causa sono, deve ser tomado ao deitar, e se não houver essa possibilidade, evite fazer atividades que exijam atenção especial como dirigir, manejar máquinas, fazer provas ou atividades com muita concentração.

♦ Se durante o tratamento você apresentar alguns sinais ou sintomas como náuseas e/ou vômitos, gosto ruim na boca, diarreia, excesso ou perda de sono, alterações de humor, alterações visuais ou alterações na pele como vermelhidão, placas, bolhas ou coceira podem ser sinais de alergia. Avise imediatamente seu médico para que ele avalie e decida se deve ou não suspender o tratamento ou mudar a medicação.

♦ Avise SEMPRE o seu médico sobre todos os medicamentos que você esteja tomando antes de ele prescrever outro. Os medicamentos podem interagir um com outro e isso pode trazer sérios danos à sua saúde.

♦ Mantenha seus medicamentos SEMPRE longe das crianças e animais.

♦ Procure tomar as cápsulas e comprimidos com água. Cerca de 200 ml de água (um copo), é uma boa quantidade, pois nesse volume, a água evita que o medicamento fique entalado ao ser deglutido. Além disso, essa quantidade faz com que o estômago se esvazie mais rápido e o princípio ativo do medicamento chegue mais precocemente ao intestino, onde a maioria é realmente absorvida.

♦ O uso do leite ou suco de frutas não é recomendável, pois contém proteínas em sua composição. Essas proteínas podem se combinar com as moléculas do medicamento e dificultar sua absorção; podem competir com o princípio ativo na absorção e acabar por dificultar e/ou atrasar a absorção. O leite ainda pode alcalinizar o estômago (diminuir sua acidez) e impedir a absorção de princípios ativos que dependem dessa acidez.

♦ Nunca misture medicamentos com o Álcool
Veja este infográfico:


♦ Lembre-se, o uso de medicamentos é parte de um tratamento, que deve ser iniciado após o diagnóstico ser feito. O diagnóstico depende de uma anamnese completa e exame físico adequado. Por isso, somente médicos e dentistas em casos específicos têm condições de prescrever corretamente uma medicação. Parentes, amigos e vizinhos, se não forem médicos, não estão habilitados a orientar o uso de remédios.

Observação: Os farmacêuticos também possuem capacidade de orientar o uso de medicamentos! Consulte o Farmacêutico, ele é o profissional dos Medicamentos!
Fonte: farmaceuticodigital

1.3.15

Miaaaaau...adoro!


O gato não se relaciona com a aparência do homem. Ele vê além, por dentro e pelo avesso. Relaciona-se com a essência. Se o gesto de carinho é medroso ou substitui inaceitáveis (mas existentes) impulsos secretos de agressão, o gato sabe. E se defende do afago. A relação dele é com o que está oculto, guardado e nem nós queremos, sabemos ou podemos ver. Por isso, quando surge nele um ato de entrega, de subida no colo ou manifestação de afeto, é algo muito verdadeiro, que não pode ser desdenhado. É um gesto de confiança que honra quem o recebe, pois significa um julgamento.





O homem não sabe ver o gato, mas o gato sabe ver o homem. Se há desarmonia real ou latente, o gato sente. Se há solidão, ele sabe e atenua como pode, ele que enfrenta a própria solidão de maneira muito mais valente que nós.

Nada diz, não reclama. Afasta-se. Quem não o sabe “ler” pensa que “ele” não está ali. Presente ou ausente, ele ensina e manifesta algo. Perto ou longe, olhando ou fingindo não ver, ele está comunicando códigos que nem sempre (ou quase nunca) sabemos traduzir.

O gato vê mais e vê dentro e além de nós. Relaciona-se com fluídos, auras, fantasmas amigos e opressores.




O gato é médium, bruxo, alquimista e parapsicólogo.

É uma chance de meditação permanente a nosso lado, a ensinar paciência, atenção, silêncio e mistério.

O gato é um monge silencioso, meditativo e sábio monge, a nos devolver as perguntas medrosas esperando que encontremos o caminho na sua busca, em vez de o querer preparado, já conhecido e trilhado.

O gato sempre responde com uma nova questão, remetendo-nos à pesquisa permanente do real, à busca incessante, à certeza de que cada segundo contém a possibilidade de criatividade e de novas inter-relações, infinitas, entre as coisas.

O gato é uma lição diária de afeto verdadeiro e fiel. Suas manifestações são íntimas e profundas. Exigem recolhimento, entrega, atenção.

Desatentos não agradam os gatos. Bulhosos os irritam. Tudo o que precise de promoção ou explicação quer afirmação. Vive do verdadeiro e não se ilude com aparências. Ninguém em toda natureza aprendeu a bastar-se (até na higiene) a si mesmo como o gato! Lição de sono e de musculação, o gato nos ensina todas as posições de respiração ioga. Ensina a dormir com entrega total e diluição recuperante no Cosmos. Ensina a espreguiçar-se com a massagem mais completa em todos os músculos, preparando-os para a ação imediata.

Se os preparadores físicos aprendessem o aquecimento do gato, os jogadores reservas não levariam tanto tempo (quase 15 minutos) se aquecendo para entrar em campo.

O gato sai do sono para o máximo de ação, tensão e elasticidade num segundo. Conhece o desempenho preciso e milimétrico de cada parte do seu corpo, a qual ama e preserva como a um templo. Lição de saúde sexual e sensualidade. Lição de envolvimento amoroso com dedicação integral de vários dias.

Lição de organização familiar e de definição de espaço próprio e território pessoal. Lição de anatomia, equilíbrio, desempenho muscular. Lição de salto. Lição de silêncio. Lição de descanso. Lição de introversão. Lição de contato com o mistério, com o escuro, com a sombra.

Lição de religiosidade sem ícones. Lição de alimentação e requinte. Lição de bom gosto e senso de oportunidade.

Lição de vida, enfim, a mais completa, diária, silenciosa, educada, sem cobranças, sem veemências, sem exigências.


O gato é uma chance de interiorização e sabedoria, posta pelo mistério à disposição do homem.” O gato é um animal que tem muito quartzo na glândula pineal, é portanto um transmutador de energia e um animal útil para cura, pois capta a energia ruim do ambiente e transforma em energia boa, — normalmente onde o gato deita com frequência, significa que não tem boa energia– caso o animal comece a deitar em alguma parte de nosso corpo de forma insistente, é sinal de que aquele órgão ou membro está doente ou prestes a adoecer, pois o bicho já percebeu a energia ruim no referido órgão e então ele escolhe deitar nesta parte do corpo para limpar a energia ruim que tem ali.

Observe que do mesmo jeito que o gato deita em determinado lugar, ele sai de repente, poi ele sente que já limpou a energia do local e não precisa mais dele.

O amor do gato pelo dono é de desapego, pois enquanto precisa ele está por perto, quando não, ele se a afasta.

No Egito dos faraós, o gato era adorado na figura da deusa Bastet, representada comumente com corpo de mulher e cabeça de gata. Esta bela deusa era o símbolo da luz, do calor e da energia. Era também o símbolo da lua, e acreditava-se que tinha o poder de fertilizar a terra e os homens, curar doenças e conduzir as almas dos mortos.






Quem não se relaciona bem com o próprio inconsciente não topa o gato. Ele aparece, então, como ameaça, porque representa essa relação precária do homem com o (próprio) mistério.


Nesta época, os gatos eram considerados guardiões do outro mundo, e eram comuns em muitos amuletos.


“O gato imortal existe, em algum mundo intermediário entre a vida e a morte, observando e esperando, passivo até o momento em que o espírito humano se torna livre. Então, e somente então, ele irá liderar a alma até seu repouso final.”



Fonte: The Mythology Of Cats, Gerald & Loretta Hausman – Via: Mundo de Gaya



    


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...